Segunda, 17 de Maio de 2021 12:24
61998647854
Política Senado

Servidoras vítimas de violência doméstica poderão ser transferidas de cidade

Projeto da senadora Leila protege as mulheres servidoras públicas

12/03/2021 20h45
Por: Redação Fonte: Redação
Senadora Leila
Senadora Leila

A servidora pública que sofrer violência doméstica e familiar poderá ter facilitada a sua transferência de local de trabalho para outra cidade. É o que prevê o projeto de Lei 3475/2019, de autoria do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), aprovado pelo Plenário do Senado. A matéria, que contou com o apoio da senadora Leila Barros (PSB-DF), faz parte da pauta feminina que os senadores e senadoras estão votando durante toda esta semana na qual foi celebrado o Dia Internacional da Mulher (8 de março). O PL segue para apreciação da Câmara dos Deputados.

Pela proposta original – do atual presidente da Casa, Rodrigo Pacheco – a Lei 8112/1990 (que instituiu o Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais), seria alterada para a inclusão da hipótese de remoção a pedido, independentemente do interesse da Administração Pública, nos casos de violência doméstica e familiar contra a mulher. A medida alcançava apenas as servidoras públicas federais.

O relator, senador Weverton (PDT-MA) optou por apresentar um substitutivo ao texto original estendendo o direito também para as servidoras estaduais e municipais. Para viabilizar a alteração, ele propôs modificar a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006) e não o Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais, explicitando que a servidora pública que sofrer violência doméstica ou familiar tem o direito de ser transferida para uma repartição em outra localidade.

O senador Weverton também acatou emendas das senadoras Simone Tebet (MDB-MS), Rose de Freitas (MDB-ES) e Daniella Ribeiro (PP-PB) para disponibilizar às vítimas uma ajuda de custo que ajude na mudança repentina de moradia, permitir que ela requeira afastamento de 15 dias para tratamento psicossocial ou de saúde e também garantir sigilo dos seus dados quando a publicação da remoção for feita no Diário Oficial.

O substitutivo foi aprovado em votação simbólica. A senadora Leila Barros (PSB-DF) destacou a importância do projeto. “É uma importante medida, já que, nós, mulheres, continuamos sendo vítimas de agressões praticadas no ambiente doméstico pelo próprio companheiro ou outros familiares”, comentou. Ela lembrou que levantamento do governo federal, divulgado nesta semana, apontou que 12 mulheres são agredidas no país a cada hora. “Espero que a proposta consiga contribuir para alterar essa grave, lamentável e triste realidade”, disse.

Pelo substitutivo de Weverton, a Justiça, no âmbito da Lei Maria da Penha, pode determinar a transferência da servidora pública que sofrer violência doméstica ou familiar. Atualmente, de acordo com essa mesma lei, o juiz pode no máximo assegurar acesso prioritário à remoção para a servidora vítima de violência. O substitutivo reforça esse direito ao incluir a remoção no rol de medidas protetivas de urgência à vítima.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
-
Atualizado às 21h00 - Fonte: Climatempo
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade do ar
% (mm) Chance de chuva
Amanhã (18/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °

Quarta (19/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °

Ele1 - Criar site de notícias