Sexta, 28 de Janeiro de 2022 13:06
61998647854
Dólar comercial R$ 5,41 0.03%
Euro R$ 6,04 +0.151%
Peso Argentino R$ 0,05 +0.026%
Bitcoin R$ 213.383,82 +4.024%
Bovespa 111.943,14 pontos -0.59%
Economia Compras e consumo

Empreendedores de olho no perfil dos clientes neste Natal

Pesquisa aponta como será o ritmo de consumo e como serão efetivadas as compras neste fim de ano.

14/12/2021 08h11
Por: Redação Fonte: Redação
Fique de olho nas pesquisas
Fique de olho nas pesquisas

O Natal está chegando e como estão os hábitos de consumo e comportamento dos brasileiros neste fim de ano? Gastar ou economizar? Ficar em casa, ou se reunir com família e amigos? É o que traz o estudo ‘Pulso de Natal 2021’ realizado pela Hibou - empresa de pesquisa e monitoramento de mercado e consumo, e a Score Group - empresa de data retail e shopper experience da B&Partners. A pesquisa ouviu mais de 1.600 brasileiros nas principais capitais do país.

Em hábitos de consumo, mais da metade da população (56%) afirmou que vai gastar dinheiro com presentes de Natal. E quais os presentes mais procurados? No top 3 do ranking estão, respectivamente: Roupas e Acessórios (69%); Brinquedos (44%); Perfumes e Cosméticos (38%). Os presenteados também foram mencionados no estudo, e quase há um empate entre os pais (44%) seguidos por filhos (41%), os próprios compradores (36%), Um pouco menos citados, provavelmente por menos eventos presenciais devido à pandemia, os amigos secretos (15%).

O Natal vai pesar no bolso?

O investimento em presentes variou bastante segundo o estudo. 19% dos consumidores farão suas compras gastando entre R$250 e 500; 17% entre R$50 e R$150; outros 17%, entre R$150 e R$250. Os valores entre R$500 e R$1000 foram mencionados apenas por 13% dos brasileiros; Uma minoria de 7% vai gastar mais de R$1.000 nas compras, e já outra pequena parcela, de 6%, pretende gastar até R$50.

Para fazer suas compras, 51% dos brasileiros declararam que vão utilizar o salário do mês, enquanto 19% aguardam a segunda parcela do 13o salário e 14%, a primeira parcela. Inclusive, o 13o salário determina o momento em que a compra será feita para de 6% da população; já 5% admitem comprar assim que recebem o salário do mês. Entre os menos antecipados, 9% vão às compras cerca de uma semana antes do Natal e 1% deixa para a véspera da data. 2% declararam que aguardam para comprar depois, visando descontos.

No crédito ou à vista?

Com mais opções de pagamento, 41% pretendem usar o parcelamento por cartão de crédito, enquanto 22% pagarão por cartão de crédito, sem parcelar. As compras à vista foram indicadas por 27% no débito; 20% em dinheiro, além da preferência de pagamento via PIX (13%), boletos (3%); transferências bancárias (1%) e carnês (1%).

"Ainda há um quarto dos brasileiros que decidiu não gastar dinheiro com presentes de Natal, e estes 25% declaram diferentes motivos. Eles vão desde a falta de dinheiro (33%) ou dívidas (12%); a ausência de clima natalino (22%); desejo de economizar (20%); por não acharem adequado gastar dinheiro enquanto há pessoas passando por necessidades (8%); e até os 28% que não costumam comprar presentes no Natal", avalia Ligia.

Compras por um click ou andando por aí?

Aquela sensação de ir ao shopping, em lojas no bairro, em clima natalino, e sair com muitas sacolas, prevalece. "Com maior flexibilização e retorno às atividades, as compras presenciais voltaram à rotina dos brasileiros. Se somarmos as intenções de compras em lojas de rua e shopping center, temos 77% da população com o desejo de realizar suas compras no presencial", analisa Ligia Mello, coordenadora da pesquisa e sócia da Hibou. E o hábito de realizar comprinhas online pelo celular ou pelo computador, permanece. "47% dos brasileiros vão às compras sem sair de casa, optando por e-commerces que tenham especialmente boas condições de entrega", conclui Ligia.

Comemoração presencial

45% dos brasileiros irão até a casa de familiares para a ceia de Natal; 28% pretendem receber familiares em suas casas; e 5% irão para casa de amigos. Já 11% pretendem passar em casa sozinho; 4% também ficarão em casa, mas pretendem comemorar por videoconferência com familiares; 3% irão trabalhar, e outros vão viajar para o interior (1%) ou para a praia (1%). 8% não comemoram a ocasião.

"A pandemia impactou demais as comemorações de 2020, e este ano, com a vacinação em massa, definitivamente a maior mudança percebida é a possibilidade de comemorar pessoalmente com amigos e família.

Observamos que para quase metade dos brasileiros, (45%) a ocasião é um momento especial para estar com a família e 39% tem a data como um momento religioso importante, mesmo que para 21% o Natal seja apenas uma data de varejo", finaliza Ligia.

Expectativa para 2022

Por fim, o estudo trouxe a expectativa dos brasileiros para 2022. 7 em cada 10 pessoas (73%) esperam que o próximo ano seja melhor que 2021. Já para 19%, a expectativa é de que seja a mesma coisa que este ano, nem melhor nem pior. E uma minoria (8%) acredita que 2022 será pior que 2021.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias